O Genocídio e o Governo Bolsonaro

Diretamente do tonel de vinho de São Roque onde, há quatro meses, se encontra em obsequioso retiro em resguardo do COVID-19, o poeta António Paixão nos enviou a seguinte crônica sobre um grupo de reflexão a respeito do eventual genocídio no governo Bolsonaro.

Por António Paixão,

com Durval de Noronha Goyos Júnior.

 

Completo o meu quarto mês de isolamento voluntário num tonel de vinho em São Roque, para resguardo da contaminação pelo vírus COVID-19. Confesso estar deprimido, não tanto pelo meio em que vivo: alentador, saudável, estimulante, higiênico, profilático e terapêutico, mas pelos crescentes desmandos do governo Jair Bolsonaro, este perigoso canalha fascista, que atingem ao povo brasileiro de uma maneira devastadora, afetando os seus direitos humanos e até mesmo a sua perspectiva de sobrevivência. Como a área jurídica é altamente especializada, quis convidar um jurista internacional para um diálogo comigo.

Recorri, para tal fim, como faço muitas vezes, ao grande jornalista, escritor e publicitário Ruy Nogueira, meu querido amigo, que circula mais do que prostituta em trottoir.  Nogueira propôs-se a trazer até a minha adega o importante internacionalista, o Prof. Dr. Durval Noronha, para um almoço, mas advertiu: “por mais que estes advogados bebam quantidades navegáveis de vinho, eles não se submetem à indignidade. Você terá que montar uma mesa ao lado do seu tonel, com toalha e guardanapos de linho, porcelana inglesa e talheres de prata portuguesa, com o timbre do Porto. Pode deixar que eu trago tudo, mas vou querer participar”. Foi assim que o cogitado diálogo se transformou num grupo de reflexão, de resto mais apropriado ao tema.

Feliz e aliviado, respondi: “muito obrigado, grande Amigo. Como faremos com a comida”? “Bem”, respondeu-me Ruy Nogueira, “o Noronha vai sempre ao Piselli. Ele é amigo do proprietário, o Juscelino Pereira, e do Pezão da Fiel, o melhor chef do Brasil. Naquele requintado templo da gastronomia italiana, são todos corintianos certificados, com carteirinha da torcida Gaviões da Fiel. Precisa mais? Pode deixar que eu providenciarei a refeição”. “Obrigado, Nogueira, eu então irei oferecer o vinho”, respondi.

“Mas você acha que um grande pentelho encravado, como o Noronha, vai tomar vinho de São Roque? Nem sonhando! Vou pedir-lhe que faça uma modesta contribuição à causa do diálogo humanístico e à reflexão inteligente doando duas dezenas de garrafas do espumante Franciacorta e do tinto Primitivo Terra Rossa de sua inesgotável adega pessoal. Ahahah”, observou o jornalista Nogueira.  “Pode marcar”, arrematei pensando “que grand coup”!

Na data combinada, exatamente no horário marcado, chegaram ao meu tonel o grande jornalista Ruy Nogueira e o preeminente Prof. Dr. Noronha, um poseur  vestido em Saville Row, que caminhava com toda solenidade e atitude blasé, precedido por uma proeminente barriga de grande juridicidade encimada, avec aplomb, por uma papada de dar inveja a Cicero. Eu mal havia me enxugado do vinho do tonel, encontrava-me ainda enrolado em minha felpuda toalha de banho nova, decorada com o glorioso distintivo do S. C. Corinthians Paulista mandada comprar na feira livre de São Roque, quando tive de saudá-los.

O Nogueira se fez acompanhar também de sua leal governanta, Dona Rosa, uma elegante senhora de particular distinção, para montar e servir a mesa. Jornalista chique é assim mesmo. Fresco. Fresquíssimo, no caso. Ahahah. Jornalista pobre, como eu, come pão amanhecido com manteiga, quando tem. Que desgraça! Quelle horreur! Como é injusto o mundo! No cardápio, havia um tartar de atum com ovas de salmão, de entrada; um medalhão de filé mignon ao molho de trufas com berinjela recheada de prato principal; e uma torta de maçã de sobremesa. Para cada um, observe-se. É assim que estes juristas adquirem a sua admirada grandiosidade gástrica!

Começando a conversa, observei que maior parte das ações nefastas da administração brasileira de Bolsonaro já havia sido anunciada anteriormente às eleições presidenciais de 2018. Dentre elas é de se elencar a eliminação de direitos trabalhistas básicos, o desrespeito aos direitos humanos em geral, mas particularmente os das mulheres, dos negros, dos índios e da população LGBT, o desmonte da ação social do Estado, nela incluída a saúde e a educação; o desrespeito ao meio-ambiente; e o alinhamento automático à política exterior dos EUA, inclusive na questão climática. Toda esta diabólica plataforma foi apresentada à população da forma mais rude, grosseira e superficial possível.

Assim, não é de surpreender que tais propostas tenham sido imediatamente implementadas pelos agentes governamentais encarregados e que tenham sido repudiadas vigorosamente pelos setores sociais responsáveis. Todavia, na medida em que segmentos da sociedade, incluindo a imprensa, se insurgiram contra tais ações nefastas e as criticaram, passaram eles a ser atacados pelo governo e seus agentes, oficiais e oficiosos. Dentre esses últimos, contam-se tanto as milícias armadas como as midiáticas, instrumentais ao projeto fascista. Assim, mesmo os outros Poderes, Legislativo e Judiciário, vieram a ser fustigados pelo Executivo, que não apenas prometeu publicamente fechar as referidas instituições, como conclamou o apoio de seus seguidores para tanto.

A crise institucional agravou-se com o descalabro da política econômica do Governo Bolsonaro, que privilegia o setor capitalista rentista, em detrimento da economia real, incluindo a situação do trabalhador. Quando a pandemia do COVID-19 atingiu o Brasil com grande força, na primeira quinzena de março de 2020, o governo fascista, na pessoa de seu presidente, seguindo a liderança irresponsável de Donald Trump, declarou que não havia ameaça à saúde pública. Mais ainda, insurgiu-se contra o respeitável organismo multilateral, a Organização Mundial da Saúde (OMS), do qual o Brasil faz parte, e suas recomendações. Segundo o presidente fascista, o tempo apenas resolveria a questão, como nas demais gripes.

Com fundamento nesta posição irresponsável, o governo federal brasileiro deixou de equipar o sistema de saúde público para atender as vítimas da pandemia e a promover o uso de medicamentos ineficazes não provados cientificamente, fabricados por apoiadores financeiros da campanha presidencial. Passados mais de 4 meses, a população brasileira ainda não foi testada contra o vírus; o uso de máscaras foi desencorajado; o isolamento social foi duramente criticado; os agentes de saúde não foram equipados com meios de proteção pessoal; houve falta de álcool e de máscaras nas primeiras semanas; equipamentos hospitalares essenciais, como respiradores, deixaram de ser fornecidos; o contágio público foi encorajado; e até mesmo a morte foi banalizada. Mais que um assombro, trata-se de uma situação horrorosa, com graves repercussões no âmbito dos direitos humanos fundamentais.

Cerca de 20 milhões de pessoas foram infectadas no Brasil, segundo estimativas responsáveis, devido à falta de credibilidade das estatísticas oficiais. Aproximadamente 80 mil pessoas morreram até o dia 14 de julho de 2020. Instaurou-se a fome no País, decorrente da crise econômica e, consequente desemprego, exacerbados pela pandemia. O governo, conforme declaração do ministro do meio ambiente, então optou por dar maior profundidade, amplitude e celeridade à destruição sistemática das florestas nativas, aproveitando o momento de suposta desatenção da imprensa, que estaria mais preocupada com a pandemia.

Com o encorajamento oficial público, deu-se um tanto radical quanto amplo desmatamento, sem precedentes históricos, na região amazônica pelo setor privado, certo da impunidade, não obstante a existência de legislação protetiva. Como resultado da destruição das florestas e do envenenamento dos rios por minerais pesados, em consequência da mineração, eliminou-se o meio de vida de largos segmentos de populações indígenas, situação que foi agravada com a chegada do vírus às aldeias nativas e pela ausência de meios de atendimento.

Com o objetivo de assegurar uma postura ideológica do Ministério da Saúde, foi este, sem ministro, desprovido de médicos e equipado com muitos militares proveniente em sua maioria do Exército, comandados por um general da ativa, os quais se juntaram aos milhares alocados ao Poder Executivo. O presidente assim se certificou de disciplina cega no cumprimento de suas disparatadas e criminosas ordens. A reação da opinião pública brasileira e internacional não demorou e foi impulsionada por declaração de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), a mais alta corte brasileira, o qual denunciou “estar o Exército associado a um genocídio”.

Neste ponto específico de minha introdução, o Prof. Noronha interveio para afirmar que “ao expressar tal opinião, o ministro Gilmar Mendes, na realidade, passou dois juízos de valor: o primeiro, de que um genocídio por parte de indivíduos ligados ao governo brasileiro está em andamento, possivelmente associado a terceiros; e, o segundo, que oficiais do Exército do Brasil são agentes associados a tal prática criminosa, sancionada pelo direito internacional de regência. Note-se ainda que o meio ambiente saudável passou a ser considerado, há tempos, como um direito humano. De fato, assiste razão ao ministro”.

“A Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Convenção para a Prevenção e Punição do Genocídio foram aprovadas pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), fundada em 1945, como primeiras ações na construção da ordem jurídica multilateral no pós-guerra. Como escrevi em meu livro O Novo Direito Internacional Público, usado pelos alunos de meus cursos de pós-graduação, ‘posteriormente, evolui-se na formulação do direito internacional, com um grande número de tratados’”…, continuou o jurista.

“A Convenção sobre o Genocídio, em seu artigo II, o define como a prática de certos atos com a intenção de destruir, no todo ou em parte, grupos nacionais, étnicos, raciais ou religiosos, como a morte de membros do grupo; o causar de danos físicos ou mentais a membros do grupo; impor condições de vida tais ao grupo que visem causar sua destruição física, total ou parcial; impor condições impeditivas de procriação no grupo; ou transferir crianças de um grupo para outro”.

“Por sua vez”, prosseguiu o Prof. Noronha, “a abrangência do crime de genocídio, de acordo com o artigo III, passou a compreender não apenas o genocídio em si, mas também a conspiração para cometer genocídio; a incitação à prática de genocídio; a tentativa de cometer genocídio; e a cumplicidade com a prática criminosa. Os indivíduos responsáveis, quer sejam governantes, agentes públicos ou pessoas naturais do setor privado responderão pelos atos criminosos. Não obstante a importância da enunciação, a Convenção sobre o Genocídio omitiu-se de sancionar a prática criminosa,  deixando a matéria como competência para o direito interno, ou municipal, dos países signatários, assim tornando na prática os seus princípios meramente enunciativos e exortativos”.

Depois de uma pausa para mais dois cálices de espumante, no que foi entusiástica e solidariamente acompanhado pelo jornalista Ruy Nogueira e por mim, o Noronha continuou: “tal omissão, contudo, foi suprida pelo Estatuto de Roma, que estabeleceu o Tribunal Penal Internacional (TPI), adotado em 17 de julho de 1998, e promulgado pelo Brasil em 2002, o qual ademais incluiu dentre os crimes sob sua jurisdição o genocídio, crimes contra a humanidade; crimes de guerra e o crime de agressão. O processo aplicável é exaustivamente detalhado no tratado. O Estatuto do TPI repete a definição de genocídio do tratado de 1948”.

“Infelizmente”, prosseguiu o Prof. Noronha, “os maiores violadores dos direitos humanitários reconhecidos internacionalmente, os Estados Unidos da América (EUA), não aprovaram o TPI, o que tira muito da eficácia do Tribunal. Não obstante, até hoje o TPI emitiu 35 ordens de prisão em desfavor de pessoas físicas, das quais 17 foram presas e responderam a processo, computando-se 8 condenadas, 4 absolvidas e 3 mortas durante os respectivos processos, sem que houvesse uma decisão definitiva a respeito da questão”.

Neste momento, interrompi a exposição para fazer a pergunta óbvia: “e neste quadro, como fica a situação denunciada pelo ministro Gilmar Mendes”?

Respondeu-me o Prof. Noronha que “A declaração do ministro do STF diz respeito claramente à existência de um genocídio dos indígenas, ação que seria de responsabilidade de agentes públicos brasileiros e, de maneira apenas indireta, à mortandade extraordinária resultante da pandemia do COVID-19. No primeiro caso, conjectura-se que o genocídio de índios possa ser atribuído ao presidente da República, ao seu ministro do meio-ambiente e a outros agentes governamentais e privados, com a permissão ou tolerância de oficiais públicos. No tocante à pandemia, pode-se alegar que sua desastrosa magnitude deu-se, em grande parte, por ação e omissão de agentes públicos brasileiros, a começar pelo próprio presidente da República e também por agentes públicos no Ministério da Saúde, comandado e operado largamente por oficiais do Exército brasileiro”.

Neste ponto, intercedeu o jornalista Ruy Nogueira, atento e sóbrio, como quase sempre, para perguntar: “então, em tese, poderão os agentes públicos brasileiros responder a ações criminais junto ao Tribunal Penal Internacional por ambos os fundamentos”?

“Sem dúvida”, respondeu o Dr. Noronha.

“E é provável que isso ocorra”?, perguntei em seguida.

Noronha apressou-se em responder: “Não é a  primeira vez que Bolsonaro é denunciado perante o TPI. Já em 2016, a gloriosa União Brasileira de Escritores (UBE), que eu tive a honra de presidir na ocasião, fez uma denúncia ao Tribunal baseada na apologia à tortura, feita pelo então deputado federal Jair Bolsonaro. Se tivesse prosperado, talvez a história hoje seria certamente outra. Mais recentemente, foi feita uma outra denúncia por uma associação de juristas, da qual não se tem notícia se foi aceita ou não. A denúncia de um ministro do STF, da estatura do Gilmar Mendes, no entanto, tem um poderio muito contundente e tudo pode acontecer”.

Curioso e não satisfeito, insisti com meu cinismo habitual: “e pode também não dar em nada”?

“Já aconteceu”, finalizou o Professor Noronha laconicamente, atacando o seu tartar de atum, não sem antes beber meia garrafa do Franciacorta, no que foi imediatamente acompanhado pelo jornalista Ruy Nogueira.

“Que sede”!

António Paixão on EmailAntónio Paixão on Facebook
António Paixão
ESCRITOR
António Paixão é um desgraçado jornalista permanentemente desempregado. É um velhote neurastênico, comunista de carteirinha, mas com uma cultura eclética e pouca disposição para brigar, porque procura, mas sem sucesso, ser simpático. Como todo jornalista, António Paixão não funciona sem álcool, pois é uma pessoa pouco confiável por muitas razões, dentre as quais por ser do sexo masculino, carioca e torcedor do Botafogo. Em São Paulo, torce pelo Corinthians e, em Portugal, pelo Vila Real. Julguem.